5 de jul de 2008

Além do "Centésimo Primeiro"

Com a transliteração de três obras de autores favoritos (dentre tantos outros), este blog atingiu sua centésima postagem. Como, não perguntem: eu não saberia responder.
O fato é que aqui está ele; como no início, uma nau sem bússola sob um céu sem estrelas, ameaçada por invisíveis arrecifes e acossada pelo canto traiçoeiro de sereias escondidas.

Dramático, não? Somente nos termos.

Iniciadas despretenciosamente, minhas notas ganharam leitores/colegas donos de blogs dentre os melhores existentes, além de comentários altamente favoráveis (pelos quais sou muito grato!); por outro lado, sinto uma certa pressão (auto-imposta, me apresso a declarar!) para manter tanto a freqüência quanto o ‘nível’ das postagens. Acredito, porém, que esteja perdendo a ‘espontaneidade’ e o resultado é reduzida quantidade de postagens dos últimos meses, se bem que minha atual crise depressiva possa ter alguma participação... Mas, tudo somado, não há com que se preocupar!

Afinal, desde sua viagem inaugural, essa ‘barca do Inferno’ estava destinada a singrar pelos mares revoltos da casualidade e cantar seus ‘autos’ contra a carência de objetivo e inspiração, fazendo do cotidiano mito e cantando seus heróis rumo ao Parnaso feliz das Musas, lar de minha amada Mnemosine, que fica além dos Oceanos conhecidos, para as bandas do Poente.

Em frente a todo pano! Terra Incognita da Felicidade, prepare seus portos e convoque suas damas: a nave está a caminho!

3 contrapontos:

FOXX disse...

qntas postagens!
qntas eu jah terei postado?

Isolado disse...

Que venha mais cem, Dom Conan !



A propósito... Uma nau sem bússola
para um exército bastardo!


Yeaahhh

umberto disse...

...resumindo...continuamos os mesmos derrotados preguiçosos de sempre....QUE LEGAL!!