6 de mai de 2008

O filósofo e a formiga

Estava Zaratustra Jr. sentado a sombra de uma árvore, quando uma formiga que subia pelo tronco contou-lhe ao pé do ouvido a seguinte fábula:

“Era uma vez um formigueiro em que havia uma larva que não queria se transformar em formiga. As operárias cuidavam dela exatamente como das outras, que iam se desenvolvendo, mas essa continuava obstinadamente sendo larva.
O tempo foi passando, as novas operárias entraram em serviço, e além de cuidar de seus deveres normais, tinham que atender às necessidades da larva que não se transformava.
Assim a vida continuou naquele formigueiro até que, tendo vivido seis vezes mais que uma operária desenvolvida, aquela larva que não se transformara morreu sem dar qualquer contribuição à coletividade e ainda tendo o seu corpo de ser removido da colônia.”

Terminada a sua história, a formiga continuou seguindo rumo ao topo da árvore sob o olhar atento de Zaratustra Jr. que, assim que a perdeu de vista, pensou:

“Ela que não me venha com outra história dessas quando descer!”

5 contrapontos:

isolado disse...

Que formiga é essa...!, além de chata, é fofoqueira também??ahahaah.
É isso ai brother, parabéns pelo aniversário.

Anônimo disse...

Síndrome de Peter Pan no reino dos insetos?

Voltou! O boêmio voltou novamente!!!

Johnny disse...

Também conheço uma história de formigas, mas não posso dizer se elas passaram alguma mensagem na ocasião, pois quem estava deitado no gramado não era eu... rs...

Que bom que vc voltou!
Não te cobro porque as vezes também fico sem escrever nada, mas é uma satisfação quando um blog irmão deixa de hibernar. Abraço!

Arthurius Maximus disse...

Mais um texto cheio de filosofia e de conceitos embutidos.

Um abraço e continue talentoso como sempre.

umberto disse...

minha nossa, voce voltou, e pelo que me parece, com um pouco do vacuo daqui em sua cabeça. Volte sempre!