7 de out de 2007

O mito da caverna revisitado

Teias de aranhas pelos cantos, rolos de poeira ao pé dos poucos móveis. A porta trancada e a janela sempre fechada, numa tentativa frustrada de manter afastados o mundo no geral, e a vizinhança, no particular. No castelo desta casa, esse cômodo cumpre uma dupla e contraditória função: são as ameias de onde se vigia o exterior e de onde partem os ataques retaliatórios, dos quais este mundo certamente não chega a tomar conhecimento; e é a masmorra onde se trava uma luta diária com a loucura, enquanto se lançam olhares invejosos para a vida que se agita lá fora.

Este lugar é o meu quarto, ao mesmo tempo uma toca e uma jaula. Eu "vivo" aqui.

Como uma árvore que cresce num local inadequado, fixo minhas raízes neste espaço insuficiente com a tenacidade das coisas que não querem abandonar a existência por difícil que ela seja (uma vez perturbado o repouso do não-ser, uma vida vai cobrar uma força gigantesca para retornar ao estado inercial anterior).
Exagero: lendo isso, passo a impressão que eu jamais saio daqui, o que não corresponde aos fatos: eu me exponho, com certa freqüência, aos níveis sempre crescentes de raios ultravioleta do sol e à convivência cada vez mais decepcionante das pessoas.
Além do mais, meus venenos prediletos, o álcool e o tabaco, e minha mais antiga paixão, os livros, insistem em não vir de moto próprio às minhas mãos...

Então, eu tenho de sair.

Ainda que esta venha sendo a rotina de uma vida, até hoje não saberia dizer se me custa maior esforço sair deste cubículo ou voltar a ele: quando saio, é a segurança da fortaleza que abandono; quando volto, são as portas do cárcere que me recebem. Na noite do meu céu resplandece a Lua Negra: quero o que não tenho, tenho o que não quero, não faço o que gosto e não gosto do que faço.

Não, sim.
Sim, não.
Não, sim.
Sim. Não.

Não sei. Apenas, talvez, expanda minha confusão para essas paredes, ancore minha mente no espaço confinado por elas; sem limites a consciência não pode existir...
Eu vivi quase toda minha vida num espaço assim, em outro lugar, outra casa; aquelas paredes chegaram a fazer parte de mim, como o chão faz parte das raízes que sustenta, como foram cenário de paralisia e decadência. Já agora vão anos foram postas abaixo, não existem mais, outras foram erguidas em seu lugar. Parte de mim, para bem, para mal, deixou de existir com elas. Uma árvore transplantada. Raízes cortadas, regenerando-se lentamente. Esperando a lâmina do machado, entre quatro novas paredes.
Uma nova fortaleza. Uma nova masmorra.

Que venha...

10 contrapontos:

Cretina Supahstah disse...

"Ainda que esta venha sendo a rotina de uma vida, até hoje não saberia dizer se me custa maior esforço sair deste cubículo ou voltar a ele: quando saio, é a segurança da fortaleza que abandono; quando volto, são as portas do cárcere que me recebem."

Conheço essa sensação, hehehehe!!!!
Só que eu sempre morei no mesmo lugar, então, é desde sempre que tenho isso, huhu!

beijos!

Lanark disse...

Só na metade do texto é que fui notar que ele se referia a você mesmo, e me lembrei daquela velha idéia de falar sobre as nossas masmorras.

E por incrível que pareça, a minha sensação é bem diferente da sua.

Mas isso você só vai saber quando eu escrever o texto.


Ou não.

Anônimo disse...

As vezes leio as notas tão rapidamente que esqueço de entendê-las e sequer me lembro de comentá-las.
Parece que estou pegando a doença da amnésia!
Falando sério, quando der visite o meu blog.
Fui!

Lüb disse...

Bom, sempre da pra fazer um buraco na parede e chamar de "janela".

E bom, cara, hj em dia óh, bebida, cigarros e livros podem ser encomendados, nem precisa sair!

Anônimo disse...

Agora mais tranquilo, li o seu post e vejo que ele está muito bom.
Desculpe, mas não é sempre que estou com paciência para uma boa leitura.

Fernanda Passos disse...

O Mito da Caverna Revisitado. Esse título é fantástico! As ilusões, as prisões de nós mesmos e a possibilidade de se livrar delas, mas à elas sempre retornar. E continuar esse ciclo.
Bj.

Fernanda Passos disse...

E tuas metáforas para falar sobre esse texto lá no prosa foram sublimes!
;)

Pode ter na cabeceira sim! mas sou uma autora sem publicações. rsrsrsrsr.

beijos
e obrigada pela visita.
é sempre bom manter diálogo com pessoas inteligentes.

vera maya disse...

Oi amnésico,

Lindo texto, a prisão de cada um..

e vou escrever pelas paredes, se é pra me aprisionar, que seja entre quatro poemas..

Beijos

Jota disse...

Esse teu texto me lembrou de "The Invention of Solitude" de Paul Auster. Lá ele trata do confinamento do escritor ao espaço de onde escreve e do fato de um livro ser sempre um produto da solidão do escritor, por mais que ele tenha sido feito pra multidões e contenha uma miríade de personagens. É interessante. Mórbido, mas interessante. E o cara escreve muito bem.

Já leu?

Marcia disse...

O mito da caverna revisitado...
No fim das contas (por incrível que pareça), esse é um quadro que se repete mais do que podemos supor.
Nós sentimos e sabemos.
Outros sentem e não se deram conta... Outros ainda, se deram conta mas preferem não considerar a constatação.
Lembrei de The Wall... e de uma frase do Smashing Pumpkins: "Despite all my rage I´m still just a rat in a cage".
;)